Logo do cpf
 
Página principal Edífício Funções Exposições Património História Notícias Perguntas Frequentes Contactos Ligações Loja Mapa do site
   
 
Colecção de Câmaras

 
  Património
 
Navegação Rápida
 
     
English Version
 
logo da Direcção Geral de Arquivos  
:: Património

Fundos e Colecções

Tendo como uma das principais atribuições a salvaguarda e valorização do património arquivístico e fotográfico, o CPF tem actualmente, sob sua responsabilidade directa, um total de 92 fundos e coleções.
De uma forma genérica, é considerado fundo, todo o conjunto de documentos de arquivo, independentemente da sua forma ou suporte, organicamente produzido e/ou acumulado e utilizado por uma pessoa singular, família ou pessoa colectiva, no decurso das suas actividades e funções. São exemplo de fundo a documentação proveniente das casas ou estúdios fotográficos.
As colecções, por outro lado, correspondem a conjuntos de documentos reunidos artificialmente em função de uma característica comum, independentemente da sua proveniência. No caso da fotografia, podem resultar da longa procura e recolha de imagens por um indivíduo, geralmente um coleccionador, cujo nome é atribuído à colecção. Existem também as colecções constituídas nas próprias entidades detentoras, na maioria das vezes respondendo à necessidade prática de agregar para não perder.
No contexto das actuais atribuições e actividades do CPF, duas colecções assumem especial relevância: a Colecção Nacional de Fotografia e a Colecção de Câmaras.

 
 
Colecção Nacional de Fotografia

Origens

No âmbito da Comemoração dos 150 anos da descoberta da Fotografia, no ano de 1989, e na ausência de um museu de fotografia em Portugal, a então Secretaria de Estado da Cultura, convida o Professor Doutor Jorge Calado, com antecedência de um ano, a formar uma significativa colecção de fotografia. Em pouco tempo, seriam reunidas 346 imagens representando o trabalho de 98 fotógrafos.
Quando o Ministério da Cultura decide criar o Centro Português de Fotografia em 1997, parecia fazer todo o sentido que a colecção fosse entregue a este novo organismo. Assim, nesse mesmo ano, o Estado e a Fundação de Serralves (entidade comodatária) assinam um Termo de Restituição de Obras que confere ao CPF a responsabilidade pelo seu levantamento com vista à integração naquela a que passaria a denominar-se “Colecção Nacional de Fotografia”.
Na prossecução da sua missão, o CPF foi acrescentando à colecção um número significativo de imagens, de fotógrafos portugueses e internacionais, bem como fotografia histórica, vários álbuns e fototipias. Privilegiaram-se as aquisições de fotografias portuguesas, procurando-se adquirir corpos de imagens que permitissem representar significativamente os autores e facilitar a organização de exposições temáticas para itinerâncias várias.
Em 2006, a Colecção Alcídia e Luís Viegas Belchior é adquirida por compra e integrada na Colecção Nacional de Fotografia, factor que em muito contribuiu para o seu aumento e valorização.

Actualidade

Hoje em dia, a Colecção Nacional de Fotografia, permite compreender os diferentes processos fotográficos e movimentos surgidos ao longo do tempo, sendo constituída por 8621 documentos fotográficos devidamente inventariados e catalogados. A colecção acaba por contar uma história e constituir uma história. Através dela, conseguimos compreender o surgimento, a evolução e obter um quadro completo da própria história mundial da fotografia.
Trata-se de um conjunto único de documentos que tem sido promovido, valorizado e tratado por técnicos especializados e em condições ambientais específicas para documentos fotográficos, assegurando assim a adequada guarda e conservação do património fotográfico português.

 
 
Colecção de Câmaras e Equipamento Fotográfico do CPF
Núcleo Museológico António Pedro Vicente

Origens

Um dos projectos que o CPF se propôs desenvolver nos primeiros anos da sua existência, foi estabelecer um núcleo museológico de fotografia, com exposição permanente, até então inexistente em Portugal. Tendo em conta que a colecção que António Pedro Vicente havia reunido, era suficientemente conhecida pelos historiadores da fotografia e pelos coleccionadores para justificar esta criação, e dada a conjuntura decorrente da escolha do Porto, em 2001, para Capital Europeia da Cultura, onde o CPF continua a ter a sua sede, a então Sociedade Porto 2001 S.A., adquire-a ao coleccionador em Dezembro de 2000 doando-a em ocasião posterior a este organismo.

O coleccionador

Historiador e professor catedrático de História Contemporânea na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, António Pedro Vicente dedicou-se fundamentalmente a história política, institucional, militar e diplomática. Sempre se interessou pela fotografia, como documento fundamental da história contemporânea. A sua formação académica e a prática de investigação asseguram a lógica coordenativa desta colecção que permite documentar a evolução da cultura fotográfica nas áreas da estética, ciência, técnica, comércio, indústria e lazer. Tendo iniciado a sua colecção de câmaras fotográficas antigas num período em que este tipo de interesse era ainda raríssimo, conseguiu reunir peças hoje inexistentes no mercado internacional.

 

A colecção

Reunia originalmente cerca de 1900 peças, de todos os períodos de produção, incluindo as históricas Daguerrianas, câmaras à tiroir, estereoscópicas, de múltiplas objectivas (carte-de-visite), bem como espécies dos primeiros construtores ingleses, franceses e alemães. Para além das cerca de 300 câmaras miniatura, de espionagem, primeiros modelos de máquinas de fotografia a cores, photomaton, aparelhos especializados para fins científicos, médicos, industriais, militares e estereofotografia, a colecção inclui cerca de 60 non-cameras, na sua maioria brinquedos e outros objectos representando câmaras fotográficas. Nela encontram-se representadas as grandes marcas mundiais designadamente Kodak, Zeiss, Ernemann, Leica e Polaroid.
Ainda que o nome António Pedro Vicente continue intrinsecamente associado à colecção, outros coleccionadores contribuiriam decisivamente para o seu aumento e valorização, em alguns casos por meio de doações. As várias incorporações à colecção feitas ao longo do tempo, também com recurso a aquisições, enriqueceram e ampliaram em muito o conjunto inicial que ascende agora a quase 6.000 peças.

 

Actualidade

Harmonia e equilíbrio visuais e de espaço, a par de uma nova e apurada componente pedagógica, são as actuais apostas do CPF no sentido de garantir a atractividade de um dos mais importantes núcleos museológicos da Europa para o sector. A distribuição e organização das câmaras por grupos tipológicos ou “famílias”, acompanhadas de novas legendas e breves textos explicativos de fácil e interessante leitura, oferecem agora aos visitantes uma viagem pelas diferentes correntes temporais do mundo mágico da fotografia.
O Núcleo Museológico/Colecção de Câmaras do CPF ocupa o 3º piso do Edifício da Ex-Cadeia da Relação do Porto, sede do CPF, e pode ser visitada gratuitamente dentro dos horários habituais de abertura ao público do centro de exposições.

 
© 2017 Centro Português de Fotografia | Optimizado para uma resolução de 1024x768 pixels