Logo do cpf
 
Página principal Edífício Funções Exposições Património História Notícias Perguntas Frequentes Contactos Ligações Loja Mapa do site
   
   
  Exposições
Exposições Futuras
Exposições passadas
 
Navegação Rápida
 
     
English Version
 
logo da Direcção Geral de Arquivos  
Pormenor de exposição

:: Exposições no C.P.F.

Indispensável para responder a um público alargado, o calendário expositivo proporciona não apenas o conhecimento da evolução da fotografia, como as experiências pessoais e coletivas que marcaram a teoria e a prática fotográficas nacional e internacional. Conjugam-se assim os objetivos pedagógicos, sociais e artísticos, garantindo-se uma periodicidade regular ao longo do ano.
A programação do Centro Português de Fotografia tem procurado equilibrar a fotografia contemporânea e histórica, a fotografia portuguesa e internacional.

  | Horário  
     
terça a sexta
10h00 - 12h30 / 14h00 - 18h00

sábados, domingos e feriados
15h00 - 19h00

O Centro Português de Fotografia encerra a 1 de janeiro, sexta-feira Santa, 1 de maio e 25 de dezembro
   
Entrada livre

Núcleo Museológico António Pedro Vicente | Exposição Permanente
Câmara fotográfica Leica Organizada por grupos tipológicos (ou “famílias”), a exposição inicia-se com exemplares raros de câmaras daguerreotípicas, percorrendo, em seguida, o longo período das câmaras de campo (em madeira) e das câmaras de estúdio, verdadeiras obras-primas da marcenaria da transição do século XIX-XX. São apresentados câmaras e visores estereoscópicos num percurso histórico-evolutivo, desde os primeiros exemplares às “descartáveis” atuais. O mesmo esquema de apresentação é seguido no caso das câmaras de fole, compreendendo exemplares raros, de grande valor estético e em magnífico estado de conservação.
O período de grande vulgarização da prática fotográfica amadora pode avaliar-se pela seleção de umas dezenas de “Caixotes”, de vários materiais e países. Também a época do fotojornalismo é revisitada, com uma bela coleção de câmaras 35mm, destacando-se as Leicas e um grande número de imitações desta câmara mítica. O mesmo acontece, no caso das câmaras de objetivas gémeas, com as Rolleis e suas inúmeras imitações, e nas médio formato com a Hasselblad e seus sucedâneos.
Uma sala é inteiramente dedicada ao império Kodak. Despertam sempre particular interesse do público as coleções de câmaras de espião e as miniaturas e subminiaturas.
Na cela que abrigou Camilo Castelo Branco, mostra-se uma seleção de câmaras especiais, destacando-se a Escopette de Darier e a Ermanox, bem como a câmara utilizada por Tavares da Fonseca nos seus extensos levantamentos aéreos de Portugal.
Mostram-se ainda exemplares de “jumelles”, câmaras de corpo rígido e instantâneas, percorrendo a história da Polaroid.
O Núcleo Museológico apresenta ainda uma variedade de materiais e equipamentos fotográficos: flashes, exposímetros, químicos e equipamento de laboratório.

Programa das Exposições

ir para o topo
“Prostituição. Retratos de uma vida na rua”
 © Rúben García

© Rúben García
    Em "Prostituição. Retratos de uma vida na rua" (2011-2013), testemunho, através de retratos e entrevistas, a prostituição de rua na cidade de Almeria (Espanha), mais concretamente nos bairros de El Puche e Pescadería. Para isso, entro nos meandros destes locais e ganho confiança com as protagonistas retratando sem pudor, em plena via pública, as mulheres prostitutas, bem como algun s de seus amigos, clientes e proxenetas; mostro-os nus ou seminus, posando de pé, em frente à câmara, num contexto mínimo. Os seus rostos e corpos refletem a dureza a que estas pessoas estão sujeitas diariamente na rua...

Rúben García

 
      ir para o topo
“Projeto 14”
 © Mariana Gomes

“Jaguar” do projeto
“Ter e Manter”

© Mariana Gomes
    Projeto 14 representa a combinação entre as componentes criativas e técnicas do desenvolvimento de um trabalho de final de curso, nas quais se evidenciam as competências adquiridas ao longo da sua formação académica.

Projeto14 reúne uma seleção de trabalhos de três estudantes finalistas de Fotografia da licenciatura em Tecnologia da Comunicação Audiovisual do DAI/ESMAE/IPP, de uma estudante da licenciatura de Tecnologia Audiovisual e Fotografia da Escola Karel de Grote – Hogeschool, em Antuérpia e de cinco Projetos Fotográficos desenvolvidos em diferentes escolas de ensino superior portuguesas que foram selecionados no âmbito do Call Project14 organizado pela Área de Conhecimento de Fotografia da ESMAE. Estão aqui representados projetos realizados na Universidade Católica Portuguesa, na Universidade Lusófona e na Universidade Nova de Lisboa.
 
      ir para o topo
“Bolsa 2013
Estação Imagem | Mora”
 © António Pedrosa

Caça Grossa

© António Pedrosa
   A pose e a presa

“Arte” ou “acto”, segundo o dicionário, a caça no meu imaginário sempre foi mais fotografia que taxidermia como se a presa fosse apenas um mero acessório da pose do caçador – o verdadeiro troféu.
Quando decidi documentar o quotidiano dos caçadores portugueses veio-me instantaneamente à memória o “cliché” do fotógrafo J.A. da Cunha Moraes, captado durante uma caça ao hipopótamo no Rio Zaire, em Angola e publicado em 1882 no álbum Africa Occidental. O grande caçador branco posava, ao centro da fotografia, com a sua espingarda, rodeado pela tribo local.
Foi com este cliché que cheguei ao Alentejo em busca dos grandes caçadores contemporâneos. Durante meses a fio, de Mora a Mértola, passando por outros concelhos alentejanos, vi veados, javalis, raposas e corças. Fotografei montarias em zonas de caça associativa e em herdades privadas, caçadores ricos e remediados.
Caçadores de carne e caçadores de troféu. Fotografei quem vive da caça e quem a vê como um hobby para alguns fins de semana durante o ano. Acompanhei os diversos tempos e momentos de uma caçada, entre a pose e a presa, o vinho e o sangue, o estampido dos tiros e o murmúrio dos campos. ...

António Pedrosa, Março 2014

  ir para o topo
“Prémio Fotojornalismo 2014
Estação Imagem | Mora”
 © Mário Cruz

Cegueira Recente

© Mário Cruz
   O prémio Fotojornalismo ESTAÇÃO IMAGEM | MORA, único do género em Portugal, tem-se realizado nos últimos cinco anos com o apoio da Câmara Municipal de Mora, estando aberto à participação dos fotojornalistas portugueses, dos PALOP, da Galiza, bem como aos estrangeiros residentes nestes territórios.
... .
O trabalho do fotojornalista da Lusa Mário Cruz “Cegueira Recente”, que aborda a vida no Centro de Reabilitação Nossa Senhora dos Anjos, foi o vencedor deste ano do Estação Imagem | Mora 2014.
Em “Cegueira Recente”, o trabalho a preto e branco mostra alguns dos momentos de reaprendizagem de competências básicas como ler, andar ou cozinhar. A maioria dos pacientes perdeu a sua visão gradualmente mas também existem casos de erros médicos e acidentes que acabaram por causar cegueira.


© 2014 Centro Português de Fotografia | Otimizado para uma resolução de 1024x768 pixels