Logo do cpf
 
Página principal Edífício Funções Exposições Património História Notícias Perguntas Frequentes Contactos Ligações Loja Mapa do site
   
   
  Exposições
Exposições Futuras
Exposições passadas
 
Navegação Rápida
 
     
English Version
 
logo da Direcção Geral de Arquivos  
Pormenor de exposição

:: Exposições no C.P.F.

Indispensável para responder a um público alargado, o calendário expositivo proporciona não apenas o conhecimento da evolução da fotografia, como as experiências pessoais e coletivas que marcaram a teoria e a prática fotográficas nacional e internacional. Conjugam-se assim os objetivos pedagógicos, sociais e artísticos, garantindo-se uma periodicidade regular ao longo do ano.
A programação do Centro Português de Fotografia tem procurado equilibrar a fotografia contemporânea e histórica, a fotografia portuguesa e internacional.

  | Horário – julho e agosto  
   
segunda a sexta
10h00 - 18h00

sábados, domingos e feriados (exceto à segunda-feira)
15h00 - 19h00

Horário nos restantes meses: clique aqui

O Centro Português de Fotografia encerra a 1 de janeiro, domingo de Páscoa, 1 de maio e 25 de dezembro
   
Entrada livre

Núcleo Museológico António Pedro Vicente | Exposição Permanente
Câmara fotográfica Leica Organizada por grupos tipológicos (ou “famílias”), a exposição inicia-se com exemplares raros de câmaras daguerreotípicas, percorrendo, em seguida, o longo período das câmaras de campo (em madeira) e das câmaras de estúdio, verdadeiras obras-primas da marcenaria da transição do século XIX-XX. São apresentados câmaras e visores estereoscópicos num percurso histórico-evolutivo, desde os primeiros exemplares às “descartáveis” atuais. O mesmo esquema de apresentação é seguido no caso das câmaras de fole, compreendendo exemplares raros, de grande valor estético e em magnífico estado de conservação.
O período de grande vulgarização da prática fotográfica amadora pode avaliar-se pela seleção de umas dezenas de “Caixotes”, de vários materiais e países. Também a época do fotojornalismo é revisitada, com uma bela coleção de câmaras 35mm, destacando-se as Leicas e um grande número de imitações desta câmara mítica. O mesmo acontece, no caso das câmaras de objetivas gémeas, com as Rolleis e suas inúmeras imitações, e nas médio formato com a Hasselblad e seus sucedâneos.
Uma sala é inteiramente dedicada ao império Kodak. Despertam sempre particular interesse do público as coleções de câmaras de espião e as miniaturas e subminiaturas.
Na cela que abrigou Camilo Castelo Branco, mostra-se uma seleção de câmaras especiais, destacando-se a Escopette de Darier e a Ermanox, bem como a câmara utilizada por Tavares da Fonseca nos seus extensos levantamentos aéreos de Portugal.
Mostram-se ainda exemplares de “jumelles”, câmaras de corpo rígido e instantâneas, percorrendo a história da Polaroid.
O Núcleo Museológico apresenta ainda uma variedade de materiais e equipamentos fotográficos: flashes, exposímetros, químicos e equipamento de laboratório.

Programa das Exposições

ir para o topo
“Porto Íntimo”
 © PT/CPF/APR/7777

Interior da “Flora Portuense”, s.d.
Fundo Aurélio da Paz dos Reis

© PT/CPF/APR/7777
     No Centro Comercial Cidade do Porto, o espaço “Photos de um Outro Porto” acolhe várias exposições durante todo o ano.
Através da parceria entre o Centro Comercial Cidade do Porto e o Centro Português de Fotografia, na loja pop-up 340 do piso 2 do C.Comercial, pode visitar desde 3 de junho a exposição “Porto Íntimo”, uma exposição produzida pelo CPF.
Esta exposição é composta por um conjunto imagens da cidade do Porto, de autoria de Aurélio da Paz dos Reis e visa dar a conhecer uma pequena parte do fundo à guarda do CPF.
Pode ainda ver um conjunto de 6 Câmaras Fotográficas pertencentes à Coleção de Câmaras e Equipamentos Fotográficos do Centro Português de Fotografia / Coleção António Pedro Vicente.
Se ainda não nos conhece ficará certamente com vontade de visitar a sede do CPF e conhecer mais do espólio fotográfico que temos para partilhar.

 
      ir para o topo
“Projeto 15”
 © Daniela Alves

© Daniela Alves
    No final do seu curso os estudantes do Departamento de Artes da Imagem (ESMAE/IPP), desenvolvem um projeto autoral no qual aplicam técnicas e linguagens artísticas apreendidas no seu percurso académico, através da execução de um projeto prático. Na área de conhecimento de Fotografia o trabalho final está igualmente associado à realização de uma exposição coletiva pública que resulta de uma seleção de imagens dos diferentes projetos fotográficos. Este é portanto um laboratório de experimentação e ensaio para possíveis percursos profissionais e artísticos.

 
   
              ir para o topo
“Poéticas imaginadas:
Fundos Fotográficos da Coleção de
Arte Contemporânea da universidade de Granada”
 © LOPEZ-APARICIO PEREZ, Isidro

Invertido
Aprendiendo a relacionarse XXIII
2010

© LOPEZ-APARICIO PEREZ, Isidro
   Esta exposição é uma seleção cuidada dos Fundos Fotográficos da Coleção de Arte Contemporânea da Universidade de Granada.
É composta por obras do século XXI e reúne, através de uma representação de fotógrafos contemporâneos, o impulso criativo de grande parte das linguagens artísticas atuais.

Francisco José Sánchez Montalbán

Tradução Luísa Azevedo

 
   
  ir para o topo
“O CONHECIDO DESCONHECIDO”
 © João Mariano

© João Mariano
   Quando pensamos na costa meridional do Algarve, e em especial no litoral de Lagoa, o que nos vem de imediato à mente são imagens de praias de águas cristalinas e areais dourados repletos de toalhas multicoloridas... praias inseridas entre as mais belas do mundo... milhares de turistas avermelhando-se ao sol do meio-dia... trilhos pelas amarelas falésias cujo desgaste pelos milhões de passos anuais mais parecem ter sido alisados por uma máquina de polir... filas de barcos com visitantes em direcção às matizadas e luminosas “grutas mais famosas da Europa”... mas raramente pensamos que há sempre muito mais para além do lugar-comum. Muito mais para além do verão e do bom tempo, muito mais para além da cor.
Com o desenvolvimento deste projecto a principal intenção foi a desconstrução desse mesmo lugar-comum mostrando, de forma mais ou menos subjectiva, lugares, momentos e situações que pelo seu lado singular, pela sua relevância geomorfológica ou pelo seu lado inesperado e recôndito permitissem transmitir uma representação antagónica à percepção que recorrentemente têm deste lugar os milhões de turistas, os inúmeros passeantes e mesmo grande parte dos locais...

João Mariano

Julho de 2014

© 2015 Centro Português de Fotografia | Otimizado para uma resolução de 1024x768 pixels